BENFICA POWER
Connosco quem quiser, contra nós quem puder. É necessário estar atento a tudo o que circunda o Benfica com o objectivo de o debilitar. Serve este espaço para que a verdade desportiva possa prevalecer, alertando, demonstrando e denunciando tudo e todos
01 de Fevereiro de 2009

Eis alguns aspectos que considero marcantes na postura que a nossa Equipa deve na visita que teremos de efectuar na próxima jornada ao Porto.

 

Principal objectivo, assumir o jogo. Sem qualquer descaraterização perante o adversário. Podemos, por vezes, mudar de sistema de jogo, mas nunca para nos adaptarmos ao adversário. Existe um modelo de jogo já praticamente definido e não podemos fugir dele, devemos sim acreditar nele.

 

O que de mais forte a nossa Equipa pode ter é jogar como Equipa. Mais importante do que termos vários grandes jogadores será jogarmos como uma equipa. É um lugar comum, mas nunca será demais recordar que a melhor Equipa pode não ser aquela que tenha os melhores jogadores, mas sim aquela que joga como Equipa.

 

E jogar como uma Equipa é termos organização e semos regularares. Aspectos  que farão com que nos vários momentos do jogo, todos os nossos jogadores pensem em função da mesma coisa ao mesmo tempo, passando para segundo plano termos pela frente, um Olhanense, um Inter um Porto ou um Rio Ave. 

 

Ao falar de organização de imediato virá a associação ao velho pensamento sobre onde ela começa. Na Defesa, no Ataque? Errado, são inseparáveis. A organização defensiva não pode exigir demais da organização ofensiva e vice-versa. Até Moreira terá a sua função ofensiva, participando activamente nos movimentos ofensivos da Equipa.

 

Quando falo em assumir o jogo, falo necessáriamente em  ter bola e usufruir dela. É claramente a coisa mais importante a ter em conta para além de marcar golos : Ter Bola!

 

Para que isto aconteça teremos que ter uma circulação alta de bola, bom sentido posicional, isto é, os nossos jogadores têm que saber que em determinada posição há um jogador, devem e têm de intuír que há algo construído e desenhado no relvado que lhes permitirá antecipar as acções decorrentes do jogo à medida que se desenrola.

 

Como? Não há grande segredo. Amplitude a atacar, linhas juntas a defender e acima de tudo, reacção forte e rápida à perda de bola.

 

Equilibrio posicional sempre. Sendo óbvio que tem de existir uma estrutura fixa e uma outra móvel. Ou seja, teremos que ter jogadores que têm posições fixas e outros que pelas suas características, pela sua dinâmica terão maior mobilidade.

 

Outro factor muito importante. Comparando a um jogo que muito tem de futebolês, o poker, o Benfica não pode NUNCA perder a âmbição de ganhar, mas, sei quão importante é nunca perder a tranquilidade e o sentido posicional. E acima de tudo mostrar olhos nos olhos que assim é. E não, nem por sombras refiro este aspecto por irmos jogar nas antas, digo-o e afirmo-o que deve ser aplicado a todos os jogos sejam eles contra que adversário for, seja em que competição se desenrole. Os nossos jogadores deverão manter um linha de ambição de jogo ofensivo, ambiciosa em que seja nítida a intenção de vencer, mas sem nunca perder o controlo do espaço e a sua tranquilidade. Aqui a comunicação entre todos é fundamental.

 

Desta forma espero que a postura não seja excessiva com o aspecto defensivo. Diz-nos a experiência que se a preocupação com esse aspecto de jogo for demasiado a transição após uma situação de pressão defensiva se torna mais dificil de a transformar numa situação de posse e acima de tudo de transição para uma postura de ataque eficaz..

 

Em suma, defender bem, é defender pouco! É defender durante pouco tempo, é ter bola o mais tempo possível, é estar com a iniciativa de jogo, não tendo por isso de estar em demasia em acções defensivas.

 

Outra verdade absoluta. Quanto mais alto defendermos ao recuperarmos bola, mais próximo da baliza adversária estaremos sendo que esta é o objectivo maior.

 

Quando referi que determinados jogadores dadas as suas características e suas dinâmicas não quero dizer que se devem poupar a acções defensivas, nada disso, a sua posição permitir-lhes-á isso sim, poder discernir e decidir onde a sua função defensiva em determinado momento se tornará mais eficaz sempre tendo em conta a noção Bloco/Equipa.

 

As acções defensivas deverão ser de pressing zonal. Não confundir com a velha história do homem a homem. Pressing zonal permite conciliar encurtar espaços, criar dificuldades esperar pelo erro com uma postura pressionante , com iniciativa no sentido de intensificar ao máximo as dificuldades e debilidades do adversário.

 

Vejamos, se o Porto jogar com 2, 3 Centrais ou com central de marcação o que me parece que irá acontecer (e ainda bem por ser um sistema menos móvel), não é drama algum. Tem de nos ser indiferente. Temos sim que em campo colocar em prática o nossa forma de posicionamento independemente da forma como o Porto defenda. O problema tem de ser deles e não nosso. Se temos, e sim já se nota  que temos um sistema que em posse de bola funciona seja contra que adversário for, estou-me perfeitamente a borrifar para o facto de jogarem assim ou assado. Quero isso sim que o bloco mais subido use e utilize o seu posicionamento tirando partido de cada instante, de cada transição feita por nós e de cada desposicionamento e/ou erro portista. Não acredito, nem creio que seja igualmente essa a ideia de Quique que devemos "encaixar" no sistema adversário, a propósito de quê? Se tivermos dois homens na frente para 4, ou se tivermos três para 3 mais dois, devemos ter sim em conta que não vamos encaixar em nada, vamos sim jogar no mais importante, no espaço. Eles que se preocupem em tentar saber onde vamos caír e actuar e nunca o contrário.  Aquilo que pretendo que o Benfica provoque, será a anarquia posicional na defesa portista.

 

Algo que tenho reparado em que estamos muito melhor é no facto de sabermos gerir melhor o cansaço motivado por se pressionar alto. E esse é mais um aspecto importantíssimo. Esta posturade pressionar logo à saída do adversário, desgasta muito mais do que sistemas por convencionais blocos separados. Como tal, a gestão de esforço deve ser bem gerida por cada nosso jogador. Descansar, não pensem que é algo individual ou algo que se faz sem bola, nada disso, pode e deve ser feita com bola, fazendo-a circular.

 

Agora que deixei ao sabor da pena saír os meus dotes de treinador de playstation, vejamos "aqueles aspectos" tão tipicos do nosso campeonato e ainda mais de se jogar nas antas.

 

Começo por dizer algo tão simples e tão esquecido:

 

As dimensões do terreno de jogo na Luz ou nas antas, mais cm, menos cm é igual. Ambos têm duas balizas, marcações a branco e surpresa, as Equipas têm à sua disposição em jogo uma bola. Um fica localizado em Lisboa outro no porto. E depois? Na Luz estamos em "casa" sim sem dúvida, nas antas, não. E depois? Vão assobiar? Pois vão. Assobiar e chamar nomes às nossas famílias. E depois? Vão existir erros de árbitragem? Vão, claro que sim. E aqui sim já não digo e depois? Tenhamos em conta que os piores anos já passaram. Que o tal terreno de jogo para aquelas bandas inclinava sempre em beneficio do porto. Não creio que as coisas estejam iguais, nem por sombras, "quem de direito" sabe que a margem de manobra é muito menor, a exposição é muito maior. Mas, ainda existe sim. E é perante essas "coisas" que jogadores, dirigentes e nós adeptos que devemos todos ter vontade e ambição de vencer sim, mas, devemos manter uma postura de forte personalidade estando preparados para tudo o que pode vir a acontecer. E o que pode vir a acontecer? Não, não são já os golos que marcavamos e que não contavam. Não não eram os penalties por marcar em favor do Benfica. As "coisas" já não são tão visíveis. Serão sim aspectos que terão como objectivo a perca da tal tranquilidade de que falei e por consequência do sentido posicional onde e de forma indirecta abrimos portas (ou fazem-nos abrir) para que o porto no sexto lance após uma situação em que sejamos prejudicados marque de "forma legítima".

 

Eis o maior risco. Factores emocionais interferirem com a concentração e postura de Equipa que devemos ter.

 

Acredito que inevitalmente isto irá acontecer. Por isso, por favor alguém que informe Quique Flores que jogar ali das duas uma, ou nos borrifamos, vamos lá fazer o frete e vimos embora ou se quisermos de facto ganhar, o factor EMOÇÂO deve ser muito bem trabalhado.

 

Fazendo uma análise rápida à Equipa do porto vemos que é na defesa que se encontra o elo mais fraco. Nitidamente existe um Central de marcação. Logo, a mobilidade não é forte do seu quarteto defensivo. É aí que temos de actuar. Não vamos como disse "encaixar" coisa nenhuma vamos sim contornar e jogar no espaço. Como creio irmos jogar com Reyes na esquerda, Fucile não se deve desposionar como habitualmente faz, por isso o seu espaço é nas costas e no interior. Todos sabemos que a marcação de Fucile não é a melhor. Suazo frente a Bruno Alves se tivermos árbitro a sério e isso ver-se-á logo nos primeiros momentos. Será após essa leitura que Jesualdo e Bruno Alves verão se têm a habitual margem de permissividade ou não. Se for um não,  a David Suazo bastará aliar a todo o seu esplendor de velocidade e técnica  a eficácia. Aimar será fundamental. Seja como municiador de Reyes (ou DI Maria) e de Suazo ou seja como finalizador. É um excelente jogo para si.

 

Deve ser o porto a procurar os jogadores do Benfica, deve ser o porto a procurar bola e termos em Suazo o primeiro defesa e em Moreira o primeiro avançado conforme a dinâmica de jogo a isso obrigue. 

 

publicado por Carlos às 19:33 link do post
tags:
01 de Fevereiro de 2009

Tendo em conta a Joint Venture porto/braga, é com naturalidade este permanente "coça-me as costas que eu coço as tuas" entre Pinto da Costa e António Salvador.

 

Assim sendo é com perfeita naturalidade, que se assiste ao histerismo de Jorge Jesus e António Salvador após o jogo com o Glorios e às contidas "observações" feitas após o jogo com o porto. Tudo normalíssimo.

 

É perfeitamente normal ver Andrés Madrid no porto, claro por indicação de Jesualdo, tudo normal. Assim como normal é a cedência de Pelé a um clube de fundo de tabela da Premier Ship. Tudo isto após ter sido recebido com toda a pompa proveniente do Inter. E claro está, à data foi necessário escrever e apontar baterias ao Benfica pelo facto de o ter dispensado aos 17 anos. Mas...Pelé, o tal dos 6 milhões de Euros acaba num modesto Clube inglês. Neste momento, nada se diz sobre a dispensa que o Benfica fez.

 

Curioso ainda, recordo-me dos vários opiniadores mencionarem o facto de o Benfica ter um jogador emprestado. Trata-se de um jogador (David Suazo) emprestado pelo líder da Série A Italiana. O porto recebe um jogador empresatado do 6º (SEXTO) classificado da nossa Liga da Sagres (sem álcool) e o que se diz? Nada. Ou melhor, fazem-se análises à lupa, enaltessem-se as qualidades de um jogador que no porto C (braga) nesta época por vezes nem no banco de suplentes se sentou.

 

Tudo normal 

publicado por Carlos às 17:10 link do post
01 de Fevereiro de 2009



…os homens do apito, sempre o temeram...”

 

 

Diz Jorge Coroado “Muitas conversas que tive com Colegas meus, as referências que eram efectuadas, é pá o homem lá de cima (Pinto da Costa) se a malta se porta mal, dá cabo da gente. Um árbitro que já está retirado internacional uma vez dirigiu o FC Porto Benfica, foi o seu primeiro derby, o primeiro clássico, que arbitrou no estádio das antas, e aí aos 20 minutos de jogo, o capitão do FC Porto naquele tempo o João Pinto, cometeu uma falta sobre um jogador do Benfica que justificava cartão vermelho, objectivamente era cartão vermelho, e o árbitro mostrou-lhe o cartão amarelo e o jogo prosseguiu. No fim de semana seguinte encontramo-nos no mesmo hotel porque ele ia para um outro jogo e eu para este, e eu disse assim, é pá então na semana passada não mostraste o cartão vermelho ao João Pinto porquê? E ele respondeu…tu és maluco? No estádio das antas, mostrar o cartão vermelho ao capitão do porto 20 minutos de jogo? Eu não sou maluco….”

 

“… para defender os superiores interesses do FC Porto é capaz  ele (Pinto da Costa) é capaz de tudo! Tudo implica o quê? Pergunta a jornalista. Resposta, Tudo!!!”

 

 

Nestes dias tenho sempre a mesma sensação…de ir assistir a uma prova de Fórmula 1, em que na grelha temos os dois melhores carros, uma pista igual para ambos, um carro com iguais potencialidades, no entanto…no arranque, acontece o mesmo, ao carro encarnado tiraram as rodas. Ou por exemplo a uma fantástica partida de ténis entre os dois melhores tenistas, e…o tenista azul serve, o tenista encarnado prepara-se para responder, vá-se lá saber porquê, alguém serrou a raquete…

 

E esta sensação já vem de há uns bons 25 anos a esta parte, porque será?

 

 

 

O que eu gostaria mesmo: no entanto, já sabemos, ainda é impossível.  Gostaria de ter um jogo limpo, sem dualidade, em que as decisões fossem com base em critérios iguais. Gostaria ainda de ter um árbitro sem qualquer receio do “sistema” naquelas decisões que ano após ano, marcam sempre cada jogo nas antas. Enfim, gostaria de facto que o jogo decorrese para ambos num plano horizontal, e não uma vez mais vá-se lá saber porquê com o relvado a inclinar sempre para o mesmo lado.

 

E este meu desejo, que é o mesmo de todos os benfiquistas é apenas a base para que se possa assistir apenas e só ao que cada Equipa realmente vale.
 
 
Criadas estas condições (que optimista eu sou, eu sei) teríamos apenas e só de nos preocupar connosco. Preocuparmo-nos em sermos práticos e em termos um sentido de colectivo perfeito. Máxima simplicidade de processos a permitir o menor número possível de perdas de bola a meio campo. È aí que reside o maior potencial do porto, a aprtir dessas perdas de bola, rápidas transições para lançar o trio Hulk, Cebola e Lisandro.
 
Momento para recordar as palavras do nosso treinador:
 
“Eu sei que pressão posso aguentar, não sei que pressão aguentam os dirigentes e os adeptos, mas oxalá que tenhamos paciência até Junho”

 

 

Quique, por mim tens, não só paciência, mas apoio e confiança. Saía que resultado sair deste deste jogo no dragão.QUERO SIM as camisolas sagradas do Benfica dignificadas. Nada me desvia da confiança que deposito nesta Equipa.

 

Voltando a dados que têm feito deste jogo algo sensaborão, e sem grande relevância para mim enquanto não se assistir a jogos com plena verdade desportiva, recordo que nestes mesmos 25 anos de jogos no porto, apenas foi marcado um penaltie a favor do Benfica e ainda assim quando o resultado estava favorável por 2-0 aos azuis muito próximo do final de jogo. De quantos penalties beneficiou o porto? 8, Oito!!!

 

Existe ainda, tudo aquilo que, ano após ano, rodeia a nossa presença na invicta. Evoco apenas alguns aspectos importantes sobre a presença da nossa Equipa no Porto. Para exorcizar mentalidades de medo, de terror criadas pelo porto ao longo destes 25 anos, é preciso preparar os nossos jogadores para o que é já habitual suceder. Foi  o próprio José Veiga que confirmou que enquanto esteve no porto ouvia Pinto da Costa vangloriar-se a dizer as formas como conseguia aterrorizar os nossos jogadores. Ele (José Veiga) sabia bem como as coisas se passavam. É necessário que os nossos jogadores escolham como lugar de estágio, não os arredores do Porto, mas o coração da cidade. Olhos nos olhos, é o que é preciso, sem qualquer receio. Para isto acontecer, nós adeptos, Equipa técnica e dirigentes temos convictamente de transmitir confiança, segurança e determinação. Os jogadores se sentirem tudo isto de todos nós Benfiquistas facilmente olharão seja quem for  e a garra será ainda maior. É tudo uma questão de atitude, de “Chispa” de “Ganas”. Muito importante ainda, a segurança que deve ser montada à volta da nossa equipa, é preciso não esquecer as ordens que a segurança privada do porto tem para tentar destabilizar os nossos jogadores. E aqui. Aqui apelo ao nosso Rui Costa. Deve ser ele o primeiro a sair para aquele estádio, em frente à nossa equipa e em seguida a nossa segurança. Não deverá ser permitida qualquer proximidade da segurança privada portista a nenhum dos nosso jogadores. Desta forma, garanto, começamos o jogo a “ganhar” ou pelo menos, não começamos o jogo logo a “perder”.
 
Astúcia, atitude e muita garra. Luisão, o nosso “Almirante” em conjunto com o nosso capitão Nuno Gomes terão igualmente um papel importantíssimo para com os restantes Colegas. Imagino que jogadores como Aimar, Reyes, Suazo, etc pensem ir disputar um Clássico pelo Clássico. Nada disso, é um clássico sim, mas sempre inquinado, precisam ser avisados desse facto.
 
Factos:
 
Nos últimos 25 anos de "clássicos" o Benfica nunca conseguiu terminar um jogo em superiroridade nimérica em resultado das tradicionais dualidades de critérios em prejuízo do Glorioso no aspecto disciplinar. O Benfica já foi penalizado com 14 jogadores expulsos contra apenas seis do porto. Desde a época 2003/04 tivemos: os seguintes vermelhos: Ricardo Rocha (2003/04), Nuno Gomes (2004/05) Binya (2007/08) e Katsouranis (2008/09).

 

publicado por Carlos às 01:12 link do post
01 de Fevereiro de 2009

Os momentos da noite de ontem

 

...Mantorras, começa a aquecer, e a Catedral aqueceu de imediato da noite fria.

 

...Quique chama Mantorras, e o nosso Capitão Nuno Gomes dá lugar ao Pedro e os Benfiquistas ainda aquecem mais...

 

...estão passados 3 minutos desde que o Pedro entrou, ganha posição rodopia e...não falha. Mantorras uma vez mais marca e resolve!

 

 

 


E quantas vezes já o fizeste Pedro? Várias.

 

Por curiosidade, frente ao Rio Ave, em Vila do Conde ao 92º minuto...Resolveu mais um jogo para o Benfica com um Golo fantástico.

 


 



Eis como quando uma imagem diz tudo

 


Mantorras

publicado por Carlos às 01:03 link do post
01 de Fevereiro de 2009

Determinação e Garra, eis como resumo a exibição do Benfica ontem frente ao Rio Ave.

 

Esta exibição, secundariza por completo o que possa vir do jogo entre o FC Porto do porto e o porto de Lisboa, vulgo Belenenses.

 

Apesar de saber um pouco a injustiça destacar alguns dos 14 estóicos Guerreiros jogadores que ontem venceram  várias terríveis Batalhas na nossa Catedral. Uma contra a intempérie que se abateu sobre a Capital e outra ainda contra o autocarro que Carlos Brito estacionou à frente da baliza de Paiva guarda redes do Rio Ave. E finalmente, a "batalha do 96º minuto" quando o Sr Rui Costa tinha dado 4 minutos.

 

Um simples exercício de retórica leva-me  a pensar, "E se porventura o Rio Ave tem marcado no tal 96º minuto?" Claro, lá tinham ido 2 pontos.

 

Ainda assim, tenho que deixar uma palavra para Cardoso, foi um lutador incansável que merecia ter tido a possibilidade de ter visto o seu esforço além da linha de golo do Rio Ave, foi ela a gazua que abriu caminho a Mantorras. Ainda para Carlos Martins e para mais uma exibição de raça e de determinação do nosso médio e ainda  claro para o Pedro. Pedro Mantorras claro. 3 minutos em campo, três, e resolveu o assunto que afigurava problemático. Obrigado rapazes. 

 

Voltando ao porto de Lisboa, estou curioso para ver se a turma de Jaime Pacheco, mantém o mesmo estóicismo que teve quando defrontou o Benfica.

 

E sim claro, se o fantasma, de "Elmano Santos" também pairará sobre o Restelo. Aguardemos

 

publicado por Carlos às 00:38 link do post
01 de Fevereiro de 2009

 

Para as mais de 20 mil heróicas almas presentes na Luz (uma delas EU) foi uma demonstração de Benfiquismo aquilo que assistimos.

 

Recordo as palavras de Bella Gutman a quem...

 

um dia perguntaram "O que era a mistica do Benfica" ao que respondeu:

 

"Chove? Está frio? Faz calor? Que importa? Nem que o jogo seja no fim do mundo ou entre as neves da Serra...ou o meio das chamas do Inferno, por terra, por mar ou pelo ar, eles aí vão, os adeptos do Benfica, atrás da sua Equipa...GRANDE, INCOMPARÀVEL, EXTRAORDINÁRIA massa associativa.  

 

Quem ontem esteve a ver o nosso Glorioso, sentiu na pele...A MÍSTICA DO BENFICA"

 

Libertamos a alegria latente de ver o Glorioso arrancar exibição de garra… e de ver ... Mantorras! Eramos cercade 22 000, mas representamos a alma dos mais de seis milhões de Benfiquistas espalhados pelo Mundo.

 

 



publicado por Carlos às 00:20 link do post
01 de Fevereiro de 2009

"O Resultado é injusto" disse Carlos Brito após o Benfica - Rio Ave.

 

Carlos Brito não escondeu a desilusão após a derrota na Luz, salientando que, apesar de ser subjectivo falar em resultado justo ou injusto, o Rio Ave fez por merecer um desfecho diferente daquele que aconteceu esta noite.

"É subjectivo se o resultado é justo ou não. Perante aquilo que os meus jogadores fizeram pode dizer-se isso. O Benfica teve duas ocasiões e marcou uma, nós tivemos três e não marcámos. Queria deixar uma palavra aos jogadores, num jogo com grande intensidade, a tristeza é maior por não levarmos um ponto. Criámos problemas ao Benfica, mas a experiência diz-me que não há vitórias morais. Agora, como estamos em último, custa sempre mais", afirmou o treinador dos vila-condenses, em declarações à RTP1.

 

Mas que jogo viu este homem?

 

Este?

 

 

 


 


 

Mas está tudo doido? E agora Lusitânia? Este País está demente? Inanarrável, risível.

 

Quem me explica que exista alguém (esse alguém é treinador de futebol segundo dizem) capaz de dizer algo como isto?

 

Jesualdo, tem neste momento um sério candidato à frase do ano que permitirá vencer o BIDON DE LATA 2009 

 

É subjectivo dizer se este homem é treinador ou não?

publicado por Carlos às 00:05 link do post
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
22
24
NOTÍCIAS
subscrever feeds
Page Counter & TV

Hit Counters




pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É verdade nao deixemos o slb a ser consumido com ...
Pelo factos dados como provados? Dados Como prova...
Amigo que a liga condenou um inocente e os factos ...
Boas.Não querem trocar de links entre os nosso blo...
Gostei muito
Achei engraçado um pormenor aqui no blog ... ainda...
Olá.Visitei o seu blog e achei-o bastante interess...
filhos da puta dos portistas, metem nojo!
E o pior de tudo é que isto PRESENTEMENTE se está ...
blogs SAPO