BENFICA POWER
Connosco quem quiser, contra nós quem puder. É necessário estar atento a tudo o que circunda o Benfica com o objectivo de o debilitar. Serve este espaço para que a verdade desportiva possa prevalecer, alertando, demonstrando e denunciando tudo e todos
15 de Setembro de 2010

 

"Sporting acusa Benfica de «tentativa de pressão» sobre a arbitragem"

 

Rogério Alves Dixit...

 

Devo avisar que serei sectário, faccioso, inflexível e duro neste meu débil empenho em afirmar o meu desprezo pela comunidade do clube do Lumiar.

 

Desde o dia em que vi Zé Bettencourt - a quem neste texto passarei a tratar por Betu Curt – a saltar já como presidente eleito ao lado de Dias Ferreira e a gritar um cântico insultuoso para com o Benfica, lembrei-me da complacência que a maioria dos benfiquistas contra minha opinião sempre tiveram para com clubes como o Sporting e Belenenses, “coitadinhos” é o que ouço! Pois bem, tal como um insecto sem qualquer utilidade são para esmagar. Como saberão quem me é mais próximo, nesta coisa das rivalidades sabem como funciona o meu benfiquismo.


Para mim, o FC Porto é uma invenção recente. Tenho-os unicamente como pretendentes às provas que disputamos. Tal como tinha o Marselha e o Bernard Tapie, entretanto preso ou também a Juventus e Luciano Moggi igualmente enclausurado ou ainda o Steua de Bucareste e o seu Gigi Becali, preso recentemente. Porto, não gosto deles é certo, mas não me aborrecem. Apenas em circunstâncias em que alguma afirmação do seu chefe que nos seja dirigida. Aí sim, caio-lhes em cima com tudo.

 

Estou mais que habituado às atoardas prontamente acolhidas e abençoadas pelos seus Bispos, sabujos, subalternos e fiéis ao “Santo Padre” da invicta. Mesmo assim o meu assomo até é mais com a pessoa “Pinto da Costa” do que com o clube. Analisadas bem as coisas, consigo fazer uma separação das águas e dizer que em relação ao FC Porto apenas não gosto da claque organizada deles a mais conhecida, aquela que estoira com estações de serviço, mostrando uma tremenda coragem por atemorizar meia dúzia de funcionários desses locais e do seu presidente. Um, PC da Costa está identificado, outro, nem liga a futebol, apenas olha com carinho as marcações brancas do relvados. O resto é-me mais ou menos indiferente.

 

O meu benfiquismo faz com que o rival do meu clube seja aquela colectividade que mora para lá da segunda circular para os lados do Lumiar. Aí sim, não divido nada, vai tudo à frente por igual. Odeio tudo o que tenha a ver aquela agremiação. As excepções são alguns amigos que escolheram passar pela vida carregando a cruz de apoiarem aquele clube, e são pessoas decentes de quem eu gosto muito, mas regra geral o adepto osga, vulgo lagarto típico é bem retratado pelo Dias Ferreira. Sempre que penso em “lagartos” surge-me de imediato na mente um campo pleno de barbados todos vestidos de talibã, cabelo untado a espumar e com uns olhos artilhados de ódio alheados ao seu próprio clube, sem sequer olharem para o relvado do seu campo, apenas interessados no que se passa do lado de cá de Lisboa do outro lado da segunda circular. Eis como vejo o típico lagarto. Exemplo desta imagem é o facto da maioria lagarta ter na personagem Dias Ferreira um excelente talibã nos mais que previsíveis pretensos ataques ao Glorioso.

 

Como não gosto mesmo nada de me andar a irritar com este assunto, lido com este ódio ao clube do avozinho pura e simplesmente ignorando-os e procurando esquecer que existem. Início de época, procuro não saber nada sobre eles. Não vejo os jogos deles, não quero saber se foram roubados ou beneficiados, não vejo resumos dos seus jogos, quando surge algo sobre lagartos na imprensa escrita de imediato passo à frente as páginas que lhes dizem respeito. Mas estarei atento a este Betu Cu-rt. É capaz de ser interessante seguir algumas das suas tiradas. Além claro de manter à linha de vista a “Santa-Aliança” Roquete+Pinto da Costa seguida por Betu Court . Ao ver alguém ligado a esse clube a ser entrevistado na televisão vou continuar a mudar de canal. Espero assim conseguir manter-me afastado de assuntos Osgó-lagartianos.

 

Apenas se torna impossível de atingir este objectivo pelo menos durante duas semanas por ano, altura em que o Benfica tem que jogar com eles. Sinto este mau estar nestes últimos dias por saber que pelo menos durante duas semanas no ano não terei hipótese de ignorar a existência da agremiação do Lumiar, porque mesmo os nossos jogadores e técnicos têm que falar sobre eles.Eis porque ignoro por completo isto que chamam de Derby da Capital. Existe algum no Domingo?


Mas a pior de todas as semanas, é esta mesmo. É mais dolorosa, é a que antecede a visita das osgas à Luz. O Estádio da Luz é um santuário, uma zona livre de répteis. Quando eles vão à Luz é como se a estivessem a profanar. Bolas para isto, lá estou eu de novo nesta fase final da pior semana do ano.Não tenho hipótese: vou ter que ver aquelas camisolas horrendas pisarem o relvado da Luz; vou ter que me cruzar com aqueles adeptos que seja qual for o resultado nunca perdem, são sempre derrotados por factores extra-futebol, por detrás dos quais está sempre o Benfica a puxar os cordelinhos. São ainda aqueles que bramem mais desalmadamente um golo de um adversário do Benfica seja ele qual for, seja em que competição for, do que um golo do seu próprio clube, são aqueles que chegam ao cúmulo de desejar a derrota do seu próprio clube contra um adversário directo do Benfica, de forma a alimentarem a esperança que o Benfica não ganhe uma competição. E ainda aqueles que em qualquer jogo, em vez de puxarem pelo seu Clube dedicam a utilização das suas pobres gargantas a insultar o Benfica. Desde muito pequeno que me lembro de ter este desprezo pelo clube do avozinho. Recordo-me de algures no tempo, ir ao antigo estádio de Alvalade (quando o Benfica lá ia jogar) com um familiar e de me dar a volta ao estômago quando, a meio do jogo, se começava a ouvir uma espécie de balido vindo lá debaixo da pala: 'Cepór... tém! Cepór... tém!'. Assim mesmo, dito num ritmo muito lento, como se tivessem que tomar fôlego entre as duas sílabas. Aquilo não chegava a ser um grito de incentivo, ouvia aquilo e imaginava uma multidão de mitras empoeiradas que de repente, numa espécie de dor compulsiva a soltar aquele som, aquela espécie de lamento que na sua própria entoação encerrava toda a desgraça e tristeza que era ser adepto daquele clube, e entre as duas sílabas tivessem que tomar fôlego para evitarem desfalecer. Normalmente um lançamento perto da nossa área ou dois pontapés de canto seguidos eram a fagulha que provocava esta manifestação de fervor sportem…guista. 'Cepór... tém!' - lastimava-se o povo, no meio de uma nuvem de poeira e traças entretanto levantada pelos seus adeptos. Depois se o árbitro marcava um lançamento ao contrário, soltava-se um prolongado ganir sofrido, como se Moisés tivesse despejado sobre eles toda a sua ira sob a forma de pragas de proporções bíblicas. Desde pequeno que a palavra 'Ceportém' criava na minha mente imagens cinzentas, cheias de bafio e poeira e gente velha com fatiotas escuras a cheirar a éter. O Benfica e o vermelho pelo contrário faziam-me pensar em alegria, emoção, paixão e gente entusiasmada. Até na forma como os golos são festejados os adeptos são diferentes. Um 'Golo!' gritado por adeptos do Benfica é diferente de um 'Golo!' gritado por adeptos do Campo Grande. O nosso 'Golo!' é um golo alegre, o Benfica marca golos, e os outros sofrem, porque nós somos mais fortes. Isto é o que é natural. O ‘Golo! ‘ deles encerra algo de velório, estranheza e desespero. Até a história da formação da agremiação de Alvalade é ridícula, nascidos que foram de uma birra entre queques chateados por não se organizarem mais bailaricos no Campo Grande Football Clube, e amuados por não terem sido convidados para um piquenique. Lá foram pedir dinheiro ao avozinho de um dos queques e lá fizeram o seu clubezeco privado. Eis a explicação da tara que são um clube 'diferente'. Ó confraria produzida em série em camarins bolorentos e empoeirados, e cada um deles parecendo fazer parte de uma qualquer confraria de agentes funerários. Todos com palas que apenas lhes permitem olharem na direcção do Estádio da Luz, e constantemente observar e comentar o que por lá se passa. São capazes de estar a ser violentados a sangue frio por um qualquer padrinho e respectivos comparsas mais a norte, que entre duas bordoadas ainda arranjam tempo para erguer uma mão ensanguentada, apontar um dedo na direcção da Luz. Eu não consigo apreciar os jogos do Benfica contra o clube do Lumiar. Para mim são uma experiência horrível, o culminar de uma semana em que apanho uma dose de clube do avozinho é superior ao acumulado do resto da época toda. Chego a ficar agoniado ao olhar para o campo e ver aquelas camisolas horripilantes ao lado das nossas. Farrapos verde e branco que se arrastam pelo relvado. Eis a minha resposta aos que me vêm com histórias de que eu deveria era considerar o FC Porto como o nosso grande rival, não fazem ideia do que falam. Esses estão identificados, são um fenómeno recente que devido a corrupção estão a ter direito ao seu tempo de fama. O Clube do Campo Grande desde os motivos que motivaram o seu nascimento que ao abrigo de um epíteto de eterno segundo clube de Portugal beneficiam do nosso beneplácito.

 

Que a imagem do seu presidente ao lado de Dias ferreira a berrar a plenos pulmões impropérios para com o Benfica faça com que a imagem de “coitadinhos” termine de vez. Domingo há Derby? Quero lá saber...

 

 

 

Para este anti-benfiquista que fez a sua carreira de troféus e glória no FC Porto e que só voltou para o "clube do coração" quando mais ninguém lhe pegou e se andava a arrastar em Itália, deixo uma palavra: a cultura anti-benfiquista no Sporting cresce à medida que o Benfica ganha mais e o Sporting menos. E eu como benfiquista também já gritei muitos golos do Sporting em algumas ocasiões. Dentro do Benfica há de certeza muitos antis-sporting ou porto. A questão é que esta situação, de ano para ano, é mais mostrada por quem manda, por dirigentes e jogadores do Sporting. Para quê? Parece ser mais importante reforçar o anti-benfiquismos que  a paixão pelo sporting. Para quê? Para acicatar os idiotas que depois mandam pedradas num mero jogo de putos?? Ou que invadem campos? Somos todos iguais. A diferença é que uns são mais que outros e eu acho que o sporting neste momento vive uma necessidade enorme de colocar gente a mostrar anti-benfiquismo publicamente.

publicado por Carlos às 20:44 link do post
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
NOTÍCIAS
Page Counter & TV

Hit Counters




pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É verdade nao deixemos o slb a ser consumido com ...
Pelo factos dados como provados? Dados Como prova...
Amigo que a liga condenou um inocente e os factos ...
Boas.Não querem trocar de links entre os nosso blo...
Gostei muito
Achei engraçado um pormenor aqui no blog ... ainda...
Olá.Visitei o seu blog e achei-o bastante interess...
filhos da puta dos portistas, metem nojo!
E o pior de tudo é que isto PRESENTEMENTE se está ...
blogs SAPO