BENFICA POWER
Connosco quem quiser, contra nós quem puder. É necessário estar atento a tudo o que circunda o Benfica com o objectivo de o debilitar. Serve este espaço para que a verdade desportiva possa prevalecer, alertando, demonstrando e denunciando tudo e todos
19 de Dezembro de 2009

Antes de recebermos o Porto convém lembrar, que neste jogo de emoções, teremos sempre que ter presente o legado que os nossos Avós e Pais nos deixaram para o que possamos passar aos nossos filhos..."esta deliciosa doença que é ser benfiquista, mas também o desportivismo que nos foi transmitido." Se os outros o têm, não sei, Se os outros amam tanto o seu Clube como nós o nosso, não digo que não, o que garanto é que nunca saberão ou poderão ter além da simples frase de intenção sentir a mesma paixão que nós ao dizermos:

 

SOU DO BENFICA !!! 

 

Ao ler a nossa Revista Mística, li, reli e reli o artigo de José Fialho Gouveia Jr, sobre seu Pai, também José Fialho Gouveia, e garanto ter sido o momento inesperado que me deu a serenidade que se me escapava nestes dias que antecedem a recepção ao FC Porto, sejam elas desportivas, ou infelizmente as não desportivas ou melhor, aquelas que se jogam fora das quatro linhas.

 

José Fialho Gouveia, que saudade da sua serenidade e do seu fervor benfiquista...

 

José Fialho Gouveia Jr, muito obrigado pelo testemunho que com todo o gosto aqui deixo transcrito:

 

"Não acredito na vida depois da morte. Mas de cada vez que as bancadas da Luz se agitam e gritam "golo" gosto de pensar que, algures, o meu pai continua a levantar os braços, a sorrir e a abraçar quem ao lado dele estiver a assistir ao jogo.

 

Quantas e quantas vezes não nos vimos nos braços um do outro, empurrados pela cabeça do Rui Águas, pelo instinto do Magnusson, pela genialidade do João Viera Pinto, pela magia do Rui Costa, pela subtileza do Nuno Gomes e por tantos predicados de tantos e tantos outros. E também quantas e quantas vezes não voltámos para casa cabisbaixos, muitas vezes em silêncio, numa cumplicidade encarnada, depois de um ou outro deslize.

 

O meu pai morreu há cerca de cinco anos, a 2 de Outubro de 2004. Chorei. Muito. Nessa manhã. Ao longo do dia. No velório. à noite na cama. Em muitos dos dias que se seguiram. Mas - esta é a mais pura das verdades - houve um momento em que as lágrimas correram mais densas do que nunca. Mais carregadas de saudade. Aconteceu quando o carro funerário, que transportava o corpo em direcção ao Cemitério dos Olivais, passou em frente à nossa Luz. Pode parecer incompreensível e irracional, mas a noção de que não mais voltaria àquele estádio com o meu pai e a consciência de que nunca mais poderia festejar com ele uma vitória apertou-me demasiado o coração. Foi nesse instante que verdadeiramente se abateu sobre mim a noção de perda.

 

Meses depois, no final dessa época, seríamos campeões. Estava no Estádio da Luz quando o Luisão empurrou a bola para o fundo da baliza do Sporting e nos colocou muito perto do título. Sentada ao meu lado estava a minha mãe e atrás de mim um amigo que me abraçou e me disse em êxtase: "este é para o teu pai! Este é para o teu pai!" Senti nos lábios o toque de uma lágrima. Tinha um travo a alegria e a saudade ao mesmo tempo. Imaginei o abraço do meu pai. Vi o seu sorriso. Senti a sua felicidade.

 

Quando, por fim, festejámos o título, na última jornada, eu estava no Funchal. Fui ver o jogo sozinho a um bar na Marginal. Ao soar do último apito as ruas encheram-se de uma euforia vermelha. Por impulso, pedi duas cervejas e dirigi-me para a praia. Brindei em pensamento com ele. Voltei a abraçá-lo e festejámos juntos. Ainda tenho uma pequena pedra vermelha que descobri na areia e que trouxe como recordação dessa noite. Mais uma vez senti nos lábios um misto de alegria e de saudade.

 

Quem o conheceu sabe o tamanho que o coração do meu pai tinha. A ternura dos seus gestos. A bondade dos seus actos. Sofria a bom sofrer com o Benfica, desesperava com as bolas no poste , rejubilava com as vitórias, entristecia com as derrotas, mas sabia sempre reconhecer o mérito dos vencedores. Também no futebol, como em tudo na vida, foi um homem bom e apaixonado.

 

Devo-lhe esta deliciosa doença que é ser benfiquista, mas também lhe devo o desportivismo que julgo ter. E ao Benfica devo incontáveis momentos passados passados entre pai e filho. Obrigado Benfica. Obrigado, pai. E - julgo que citaste estes versos de Camões no discurso que fizeste na inauguração do novo estádio - " se lá no assento etéreo onde subiste, memória desta vida se consente", também sei que te recordas de mim em cada golo."

 

José Fialho Gouveia Jr - Jornalista

 

Ao filho o meu obrigado por este momento. Ao pai, que consigamos passar estes valores aos nossos filhos.

 

Quantos aos versos, sim José Fialho Gouveia citou-os na inauguração da nossa nova Catedral, aqui ficam

 

 

publicado por Carlos às 17:57 link do post
O Benfica é isto, e hoje seguramente o teu querido pai, esse enorme benfiquista, vai estar no "seu 5 anel" a puxar e a vibrar com o nosso amado Benfica !!!
Natálio Santos a 20 de Dezembro de 2009 às 05:21
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
16
17
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
NOTÍCIAS
Page Counter & TV

Hit Counters




pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É verdade nao deixemos o slb a ser consumido com ...
Pelo factos dados como provados? Dados Como prova...
Amigo que a liga condenou um inocente e os factos ...
Boas.Não querem trocar de links entre os nosso blo...
Gostei muito
Achei engraçado um pormenor aqui no blog ... ainda...
Olá.Visitei o seu blog e achei-o bastante interess...
filhos da puta dos portistas, metem nojo!
E o pior de tudo é que isto PRESENTEMENTE se está ...
blogs SAPO